9 de mar de 2011

Tolos, tesos e trouxas

Francisco Marcos, cientista político
Câmara de Deputados e Senado Federal que nada mais são do que o Congresso Nacional constituíram comissões para tratar de uma reforma política. No Senado são quinze os titulares, nenhum do estado de São Paulo, estado com o maior eleitorado entre outras pequenas coisas. Na Câmara o acinte é muito maior. Pois os membros de proa na comissão estão enredados no STF com processos. Como somos tolos e maioria acachapante pensamos que da reforma política sairá alguma coisa. As ratazanas vão acabar parindo uma montanha: o financiamento público de campanha. Conhecemos a mentalidade de nossos políticos, a maioria nem sabe o que é classe, mesmo de aula, pois são doutores e doutoras de fancaria. Portanto jamais irão modificar algo que lhes traz muito proveito e bota proveito nisso.
Tesos, duros vivemos e viveremos mais ainda, pois a farra eleitoral de 2010 será, ou melhor, já está sendo paga por nós. Redução dos mais variados tipos de atendimentos, os cortes ensejados pela prima dona até agora não foram explicitados com clareza. Quando se fala muito em transparência é porque não existe transparência alguma.
Trouxas sempre fomos e continuaremos a ser por desígnio das forças dominantes, principalmente do segmento financeiro. Este intenta agora, a partir do Rio de Janeiro formar um Partido Novo, tudo indica que tentarão acabar com os intermediários, em contraposição ao delírio kassabiano-paulista com o PDB, já alcunhado de Partido Da Boquinha.
Quem olha para fora, sonha. Quem olha para dentro, desperta.”

Nenhum comentário: