9 de mar de 2011

imbatíveis !!!

Marcel Proust e o escritor em busca do tempo perdido

Por Laurence Bittencourt

O escritor encontra uma saída para os seus dilemas em sua criação. Na sua arte. Faz dela a sua “vida”, ou encontra nela, ou a partir dela, a recuperação para um certo “tempo perdido”. Lembro de um evento junto com algumas pessoas que participei e organizei, onde o artista plástico norte-rio-grandense Flávio Freitas, convidado para o debate, disse, diante de uma boa platéia, que comumente as pessoas se referem ao artista como “alguém que vive de abstrações, não tendo (sua arte) um caráter prático”, o que levou Flávio a afirmar em seguida que era com essa sua arte que ele “pagava suas despesas, a educação dos filhos, seu lazer e a alimentação da família”. Ou seja, a arte com sentido prático, que transforma e pode ser transformadora. Tem esse caráter. E é sobre esse “tempo perdido” que eu quero falar a partir da análise de um dos maiores escritores de todos os tempos: Marcel Proust.

Um dos grandes méritos de Proust (1871-1922) como escritor foi exatamente o de saber misturar ficção e autobiografia de uma forma original. Claro que há também toda sua invenção formal. Os longos períodos, as descrições minuciosas de coisas, ambientes e pessoas que outros escritores não teriam o fastio de fazê-lo, as percepções do alto ambiente aristocrático francês, a acuidade psicológica, em suma, Proust não tinha o estilo enxuto, direto e moderno de um Voltaire ou mesmo de um Flaubert. Mas seu estilo oblíquo, até certo ponto pesado, fastioso, fez dele um escritor inovadoramente rico dentro da literatura.

Para quem tem pouco traquejo nas leituras e nos jogos culturais não pode imaginar que o autor de “Em busca do tempo perdido”, só veio a ter fama como escritor após sua morte, em 1922. Digo, claro, fama mundial. Internacional. E por que isso? Proust, judeu, de fato, foi em muito um esnobe, um aristocrata esnobe. Depois de escrever sua maior obra, “Em busca do tempo perdido”, perdeu vários amigos da alta sociedade parisiense, justamente por retratá-los de forma magnífica. Amigos e amigas de longas datas deixaram de falar com ele. Há uma frase sua, em que ele diz que “pintar, na escrita, o retrato de um amigo, era perder esse amigo”. Proust também foi um adepto de que era “melhor perder o amigo, mas não a frase”.

Sem cair em reducionismos como o do escritor inglês Graham Greene, para quem Proust fora o maior escritor do século XX, como Tolstoi o fora para o século XIX, ou como o de André Gide, que afirmou que o francês era um “esnobe intelectual e um repórter de acontecimentos da alta sociedade”, o certo é que depois da publicação da sua magistral obra “Em busca do tempo perdido”, que se inicia com “No caminho de Swann”, é impossível não sentir o peso do seu talento. E se ele teve muito desse “repórter” da alta sociedade, dita por Gide, também nos deu muito mais.

Seu primeiro livro escrito em 1896, “Os prazeres e a vida”, onde o título é um derivativo óbvio do livro do grego Hesíodo, “Os trabalhos e os dias”, já demonstra (no próprio título) toda uma diferença de pensamento, entre as classes aristocráticas do mundo antigo, com a mesma classe no mundo contemporâneo, classe da qual Proust pertencia. O livro, apesar de não lembrar nem de longe a monumental obra posterior, traz um prefácio de Anatole France, já um escritor de renome. Essa necessidade de apresentação de um grande nome não passou incólume ao crítico (e amigo de Proust) da época, Fernand Gregh, que disse sarcasticamente: “com uma espécie de timidez ele recorreu aos seus amigos mais precisos para introduzi-los na vida literária”. O livro, apesar das críticas, vendeu pouco.

O francês ainda escreveu um outro livro, chamado “Jean Santeuil”, em que, apesar dos relatos extensos sobre o famoso caso Dreyfus, já revelava o embrião do que estava por vir. Proust sempre fora um ambicioso social, e transitou e conheceu os grandes nomes culturais da época como Anatole France, Oscar Wilde (foi esnobado por este), Mallarmé, Gide, como também o filósofo Bérgson, que depois de perceber que Proust tinha traços obsessivos, se cansou da sua conversa enfastiada e repetitiva.

Proust foi influenciado por Balzac (declaradamente seu grande ídolo na literatura), fascinado com o uso de personagens seguidos (que Balzac fazia) em obras separadas, como numa seqüência. E é a partir de 1900 que ele irá dar início a sua última e grandiosa obra, “Em busca do tempo perdido”, tendo sua edição sido rejeitada, acreditem, por André Gide, por achá-lo “repórter” demais. O primeiro volume, com o título de “No caminho de Swann”, foi publicado em 1913, seguido em 1919 com “A sombra das raparigas em flor”, indo até 1922 com “Sodoma e Gomorra” e “O tempo redescoberto”, que mereceu inclusive uma filmagem com John Malkovich e Catherine Deneuve.

Se você nunca leu Proust, pode achar que todo esse confete é excessivo. Mas se você tiver persistência e gostar de ler, tome, mesmo que aleatoriamente, qualquer dos volumes de “Em busca do tempo perdido”, que entrará num mundo fascinante e saberá o porquê do seu sucesso. Como ele mesmo disse uma vez, “a verdadeira viagem não consiste em ver novas paisagens, mas sim, em ter novos olhos e olhares sob a mesma coisa”. Uma boa metáfora para a nossa eterna aridez cultural.



(*) Fotomontagem: “Pourquoi veut-on toujour rattraper le temps perdu?” (Por que sempre queremos recuperar o tempo perdido?).

Marcel Proust em 18 de novembro de 1922.

Falta de seriedade

Peter Wilm Rosenfeld
O título acima abrange o governo que findou há pouco e o novo que se instalou.

O Sr da Silva, durante seus longos, muito longos oito anos de mandato, foi um permanente prestidigitador, falseando com a verdade com relação a tudo e a todos.

A situação dos serviços básicos no Brasil é caótica. Não afirmo que ao se iniciar os tristes oito anos de mandato de seu governo tudo fosse perfeito. Longe de mim dizer tal coisa.

Mas sim, o que digo e afirmo é que todos, repito e enfatizo, todos os serviços pioraram de maneira dramática, a saber:
- SAÚDE – As filas do INSS aumentaram e o atendimento nos postos de saúde e hospitais piorou de forma vergonhosa. Graças aos noticiários na televisão, fomos diariamente confrontados com imagens tristes, deprimentes, de pessoas esperando atendimento deitadas em colchonetes em corredores de hospitais ou sentados em cadeiras incômodas.

Aliás, “deitados” não é o temo correto; “amontoados”, deveria ter dito.

É evidente que o Sr. da Silva e os seus, bem como todos os ministros, secretários e equiparados, ao menor sintoma de um simples resfriado eram levados ao Incor ou a um hospital de primeiríssima classe para serem atendidos e, se necessário internados, às expensas da viúva !

O ministro que respondia pela Secretaria de Direitos Humanos andava aonde, nessas ocasiões ?(resposta ao final...).

- TRANSPORTE – Apesar de ser uma área de fundamental importância para o Brasil, grande produtor e exportador de grãos, nada foi feito para melhorar a situação de nossas estradas (e, no caso, também portos). No presente ano viram-se, mais uma vez, filas quilométricas de caminhões aguardando para descarregarem suas cargas nos principais portos do País.

Isso quando conseguiam chegar às imediações da área portuária, porque havia e continua havendo estradas que, com chuva, se transformam em um lamaçal indescritível, retendo os veículos por períodos às vezes longos.

Nos portos a situação é igualmente dramática. Daí serem os caminhões obrigados a esperar dias, por vezes mais de uma semana, para serem descarregados. E nada foi feito para incentivar o uso do transporte marítimo, considerando nossos muitos quilômetros de costa.

O que foi feito em ferrovias nem merece ser citado, pois se aproxima do zero, com uma exceção: já foi gasto muito dinheiro com o plano de construir uma linha de alta velocidade (trem-bala) entre Campinas/S. Paulo/Rio de Janeiro, absurdo dos absurdos.

E nos aeroportos virtualmente nada foi feito. Há problemas sérios em quase todos. A Infraero sempre foi um antro de corrupção e de incompetência (não sei dizer qual dos dois vem primeiro...)

- ENSINO (EDUCAÇÃO) – Se a situação não fosse tão séria e deprimente como o é, diria que serviu de “campo de provas” para algumas experiências absolutamente tolas e primárias.

Repetindo o óbvio que é mais do que conhecido, o Brasil é um País imenso, com distâncias enormes em tudo. Inclusive no grau de instrução de seu povo, sem falar em todos os regionalismos, que aflora inclusive na maneira de falar.

Querer instituir um sistema único de ensino e de exames de suficiência é, ainda, uma tolice rematada. Os exames vestibulares aplicados Estado a Estado serviam muito bem a seus propósitos. Para que mudar o que estava funcionando bastante bem (não há, nem pode haver perfeição, nesses casos).

E mais, há que lembrar que ainda somos, pelo menos oficialmente, uma REPÚBLICA FEDERATIVA; como tal, cabe a cada Estado Federado estabelecer suas normas e seus quesitos nesses assuntos.

De mais a mais, está provado que ainda estamos longe de ter competência para um empreendimento da envergadura de um exame vestibular único de âmbito nacional.

O País tem que se preocupar, e tratar de melhorar, todo o ensino, desde o primário. Mas nisso não há qualquer preocupação por parte de nossas autoridades, principalmente as municipais e estaduais.

As mais de cem universidades apregoadas pelo Sr. da Silva foram criadas no papel. E o resto, não virá ?

PREVIDÊNCIA – Essa é outra área extremamente delicada, que tende a ficar mais grave à medida em que os anos avançam. Até há não muito tempo, dizia-se que o Brasil era um País de jovens que, com seu trabalho e seus salários, seriam uma garantia de que a Previdência sempre teria recursos para remunerar os aposentados.

Nem se falava em cálculo atuarial para calcular a necessidade de recursos face aos compromissos assumidos. Parece que, da mesma forma, ninguém pensou na possibilidade de a expectativa de vida dos brasileiros aumentar significativa e rapidamente.

E mais: através de uma pequena diferença no valor das contribuições à Previdência, os funcionários públicos têm direito a se aposentar recebendo vencimentos integrais, enquanto os empregados de empresas privadas contribuem sobre um valor menor e, conseqüentemente, recebem menos dos órgãos previdenciários.

Como não poderia deixar de ser, o sistema é caótico e injusto. Tornou-se pior quando foi introduzido na Constituição Federal de 1988 um dispositivo estabelecendo que nada, nenhum fator de correção de qualquer valor, poderia ter como referência o salário mínimo.

Demonstrando o nível de desajuste no valor das aposentadorias, os juízes do Supremo Tribunal Federal (que deveriam receber o valor máximo dentre o funcionalismo federal) hoje recebem algo em torno de R$ 27.000,00, que deverão passar a pouco mais de R$ 30.000,00 proximamente, aposentando-se com esse valor.

Uma pessoa que se tenha aposentado pelo INSS tem, hoje, uma remuneração máxima de algo como R$ 4.000,00.

E a diferença vai crescendo à medida que passa o tempo.

(Por curiosidade, um jornal de Porto Alegre (RS) informou em sua edição de hoje, 08/03/2011, que um aposentado da SUDEPE (Superintendência Estadual da Pesca, ou algo assim) recebe R$ 52,6 mil como aposentado, graças a decisões liminares judiciais !!!!!).

E quando o governo pensa em mexer nas leis de aposentadoria, há sublevações populares, e isso ocorre em todos os países do mundo.

Finalmente, viva o Bolsa Família, cujo aumento foi festejado pelo Dep. Vaccareza, líder do governo ou algo assim na Câmara dos Deputados, pois agora os que o recebem podem até comprar cachaça, e isso será muito positivo para a economia do Brasil...

Ah, a resposta à pergunta feita no início do presente: o responsável pelos Direitos Humanos estava a ter pensamentos malévolos com respeito a nossos direitos, como se não fossemos humanos e precisássemos de uma ditadura...

Terminando, não sei qual a razão da euforia do Sr. da Silva, pois deixou para sua sucessora problemas monumentais. E a Sra. Rousseff sequer pode se queixar disso, pois foi a “gerentona” do Governo em praticamente todo o segundo mandato do Sr. da Silva.

A síndrome da “presidenta” Dilma Rousseff.

Por Giulio Sanmartini

Pelo que se sabe, a vida da atual presidente Dilma Rousseff, não lhe foi naturalmente favorável. Na juventude carecia de beleza física , fato agravado pela total falta de simpatia pessoal. Na sua escolha política de guerrilheira foi um fracasso, portanto resolveu, como os da linha filosófica, encostar-se numa das inúmeras sinecuras distribuídas a mãos-cheias, pelos companheiros.

Sua atual posição faz lembrar a história da pulga que fez um favor a uma fada e esta disse que lhe satisfaria qualquer desejo. A pulga sem titubear fez sua escolha: “Quero um cachorro lulu só para mim”.

Pois é, dona Dilma fez um favor ao mago vadio bêbado e recebeu um lulu só pra ela, com direito a todos os anexos. Mas ela acostuma a derrotas não está sabendo administrar sua efêmera vitória, tanto que vem demonstrando fortes sintomas da síndrome de rainha da cocada preta.

As primeiras manifestações dessa morbidez, puderam ser notadas nos ensaios de sua posse, quando Dilma exigiu que sua ausência fosse preenchida não fosse preenchida por uma pessoa qualquer, mas sim por uma sua sósia (*),o que representou uma forma das mais ridículas já observada em tentar cultuar a própria imagem.

Esta existência da sua síndrome, ficou reforçada, com os despautérios cometidos nesse seu descanso carnavalesco, passados penas dois meses, onde sua maior atividade foram os incógnitos “despachos internos” (leia Um inferno sem barreiras

P&P 8/3).

Sua prepotência voltou a fazer-se presente na Barreira do Inferno. Na manhã de segunda-feira (7), a irmã Lúcia Montenegro, presidente da Casa do Menor Trabalhador é retirada da entrada do Centro de Lançamento, depois de sua tentativa frustada em obter uma reunião com a presidenta. O argumento do coronel que a tendeu foi que “...nem a governadora vai ser recebida. Vamos compreender, é a nossa primeira presidente e ela precisa descansar”. Só não disse descansar de que.

Mesmo destino coube ao o atleta Carlos Dias, especialista em ultra-maratonas, foi barrado na portaria da Barreira do Inferno. Ele pretendia conversar com a presidente sobre a campanha para ajudar crianças com câncer. O programa incentiva as pessoas a fazerem doações para o setor. “Não quiseram nem pegar meu cartão para entregar à presidente”. - disse.

Dilma em pouco tempo mostra todo seu autoritarismo e que usará o poder exclusivamente para desfrutar das benesses que este propicia. Fatos altmaente nocivos para o país.

Vale reproduzir o que escreveu sobre essas férias Cládio Humberto (9/3): “A ‘transparência’ prometida no governo pela presidenta Dilma esbarra na Barreira do Inferno (RN), com uma ‘zona de exclusão’ de 5km – compatível com ditadores, não com chefes de estados democráticos”.



(*) Fotomontagem: A Secretária de Relações Públicas do Senado, Juliana Rebelo, que foi a sósia escolhida por Dilma, esta levou tão a sério a “mentirinha”, que na ocasião os ensaios chegou até a acenar várias vezes para os fotógrafos e transeuntes na Esplanada. Dilma numa foto charge com os autoritários Stalin e Lênin.

(*) Texto de apoio Luiza Dome.

Petelhos são pentelhos, seja onde estiverem

Por Ralph J. Hofmann
Barak Obama é um Petista. Não há nenhuma dúvida quanto a isto. Basta avaliar alguns de seus companheiros de jornada, como pastores racistas negros com ódio pelos brancos, amigos bastante chegados a líderes islâmicos que consideram os Estados Unidos o “Grande Satã” e atos de estudada impolidez ao primeiro ministro de Israel.

São atitudes muito semelhantes às atitudes de Lula quando no poder, mesmo que os protagonistas sejam outros.

Mas há mais uma característica. Um exemplo. Quando a General Motors pediu assistência financeira ao governo esta não se estendeu aos fundos de pensão de veteranos da empresa. Como resultado os benefícios aos aposentados caíram em até 70%. Os pecúlios eram em grande parte ligados a ações da empresa. Com os problemas da empresa as pensões minguaram. Até este ponto é uma fatalidade. Contudo eis que o governo decide escorregar dinheiro a fundo perdido para que os fundos de pensão administrados pelos sindicatos possam manter a renda de seus filiados. Os filiados dos sindicatos são apenas 12% da força de trabalho da GM. Portanto o governo Obama está efetivamente favorecendo os sindicatos em detrimento dos não-sindicalizados, o que é ilegal. Nos estados unidos é proibido exigir a sindicalização de toda a massa de operários. A sindicalização é um processo voluntário.

Os sindicatos normalmente são os grandes cabos eleitorais dos candidatos do Partido Democrata. Evidentemente o governo está comprando a fidelidade dos líderes sindicais, que, aliás, são uma classe de dirigentes à parte com salários muito parecidos aos das empresas cujos operários são representados por eles.

Mas há ainda mais. Quando foi instituído o Obamacare, o programa de saúde de Obama, foram estipulados níveis de cobertura que as instituições precisam dar aos seus funcionários. Os objetivos estipulados, conforme a oposição havia indicado eram altos demais para serem impostos de uma hora para outra.

Em vista disto, certos programas, em vias de estarem inadimplentes neste tocante têm pedido “waivers” (liberações) federais que posterguem em um ano o ajuste dos níveis de cobertura. São planos de empresas e de sindicatos. A questão é que tem sido aplicado máximo rigor na concessão destes “waivers”. Poucas empresas têm logrado conseguí-los. Contudo 26% das concessões tem ido para programas de sindicatos. No entanto os sindicatos representam apenas 12% das pessoas cobertas por estes programas. Estas concessões têm sido renovadas após um ano. A maioria das outras concessões vai para distritos escolares e sociedades hospitalares. Ocasionalmente alguma prefeitura ou caixa de pecúlio pequena. Novamente tratamentos diferenciados para os sindicatos.

Não há dúvida que o Obamacare foi lançado sem um exame das reais possibilidades de implantação. Foi aprovado no garrote enquanto a oposição previa exatamente o que iria acontecer. O Garrote foi aplicado na maioria dos casos pela “CUT” deles, pois muitos congressistas americanos mesmo sendo do Partido Democrata percebiam como o plano era mal concebido.

Em suma, a CUT deles tem a chave da copa da Casa Branca assim como a daqui tinha a chave da churrasqueira da Granja do Torto.

Esperamos que o Tea Party e outros tenham mais sorte que nós em acabar com o reino de Obama sem dar-lhe mais quatro anos.

(*) Fotomontagem: Barack Obama e Sarah Palin, esta num “Tea Party”

Tolos, tesos e trouxas

Francisco Marcos, cientista político
Câmara de Deputados e Senado Federal que nada mais são do que o Congresso Nacional constituíram comissões para tratar de uma reforma política. No Senado são quinze os titulares, nenhum do estado de São Paulo, estado com o maior eleitorado entre outras pequenas coisas. Na Câmara o acinte é muito maior. Pois os membros de proa na comissão estão enredados no STF com processos. Como somos tolos e maioria acachapante pensamos que da reforma política sairá alguma coisa. As ratazanas vão acabar parindo uma montanha: o financiamento público de campanha. Conhecemos a mentalidade de nossos políticos, a maioria nem sabe o que é classe, mesmo de aula, pois são doutores e doutoras de fancaria. Portanto jamais irão modificar algo que lhes traz muito proveito e bota proveito nisso.
Tesos, duros vivemos e viveremos mais ainda, pois a farra eleitoral de 2010 será, ou melhor, já está sendo paga por nós. Redução dos mais variados tipos de atendimentos, os cortes ensejados pela prima dona até agora não foram explicitados com clareza. Quando se fala muito em transparência é porque não existe transparência alguma.
Trouxas sempre fomos e continuaremos a ser por desígnio das forças dominantes, principalmente do segmento financeiro. Este intenta agora, a partir do Rio de Janeiro formar um Partido Novo, tudo indica que tentarão acabar com os intermediários, em contraposição ao delírio kassabiano-paulista com o PDB, já alcunhado de Partido Da Boquinha.
Quem olha para fora, sonha. Quem olha para dentro, desperta.”

as tartarugas da tia dilma

O desastre

Ralph J. Hofmann


Muitos de nós preferimos calar durante as primeiras semanas da presidência Dilma. Afinal de contas no início de sua gestão Lula nos surpreendeu não desmantelando o trabalho de FHC. Só falava mal dele, mas não tomou nenhuma medida contra. Tínhamos de dar um refresco para Dilma.

De fato, em algumas coisas, como na política internacional no tocante a Ahmadinejahd, sentimos alguma melhoria. Feito o primeiro balanço da situação econômica Dilma anunciou cortes de despesa, e para bom entendedor já ficou claro que o PAC segue nos planos, mas dificilmente terá prosseguimento em 2011. O caixa foi raspado para elegê-la. A crise está estabelecida e não será fácil de debelar, pois os maus hábitos de novos-ricos da cúpula petista não cessaram.
Sabemos também que Dilma de fato se debruça sobre os papéis de estado de manhã cedo até o fim do dia. Nada mais justo, pois foram despendidos bilhões de dinheiro dos contribuintes para elegê-la. Pelo menos deve trabalhar em troca disto.

Hmmm! Mas o que vejo? Após oito semanas no cargo ela está tirando uns dias de folga. Não pode ter acabado o gas ainda. Mas... nada mais justo. Afinal de contas isso é Brasil, é carnaval, e a progressão do carnaval, levou a folga que era apenas na quarta-feira de cinzas de manhã nos anos sessenta, na maioria dos estados a uma folga de sábado a quarta feira. Claro que a presidente deve descansar quando seu povo descansa.

Se não me falha a memória, a partir do presidente Figueiredo o local de lazer dos presidentes do Brasil passou a ser a Granja do Toro, bem defendida por seguranças com ótimas instalações.

“Não! Não serve! Tem de ser na praia!” “ Ah bom. Então quem sabe a Barreira do Inferno. Mas lá é muito precário.” “Uma reformazinha. Qualquer oito milhões e fica tudo nos trinques.” ”Péraí presidente. Não era melhor mandar estes oito mi para saldar compromissos contra as vítimas das enchentes de SC que estão há dois anos esperando? “Isso é compromisso do Lula! Meu compromisso é com o pessoal da serra no Rio e isto tem tempo, não faz nem um mês.”

“Mas e se a senhora ou seu neto passarem mal?” “Faz que nem em Porto Alegre, bloqueia os serviços necessários para nós. “

E assim um cidadão quase morreu por falta de UTI porque duas vagas de UTI estavam bloqueadas. A vida de pessoas que trabalham na Barreira do Inferno vira um lixo porque a segurança presidencial estabeleceu regras de exceção. Estão com uma ocupação militar estrangeira em sua própria terra.

E tudo às nossas custas. Será que ela não podia ter aproveitado algum dos locais irregularmente reformados para Lula durante e após sua presidência? Será que os equipamentos novos ainda estão nestes locais?

A minha sugestão, provavelmente mais barata do que reformar mais um local para o fim de semana da presidente é a seguinte. Peça ao Barak Obama para emprestar Camp David. Aproveite a vista dele para estabelecer quem ocupa Camp David quando. “Locos no son los que piden. Son los que dan”. (Loucos não são os que pedem, são os que dão).

Outra possibilidade é, se o Khadaffi cair arrematar uma das tendas luxuosas dele. Aí dá para montar um palácio de tendas onde que possa chegar uma tropa de camelos.

De minha parte sugiro que os estados e municípios ao serem informados que Dilma vem visitar informem que não é de seu interesse receber o incômodo de uma visita presidencial. Que um desastre natural é mais bem-vindo.



(*) Fotomontagem: Dilma recebendo do casal Obama (Barack e Michelle) Camp David, para passar as férias da Semana Santa (22 a 24/4).

A maior injustiça

Giulio Sanmartini

O secretário de Ordem Pública (SEOP) do Rio de Janeiro, Alex da Costa nesse dia 8 (3), jactou-se: “Não vamos dar trégua ao xixi na rua durante os desfiles de blocos de rua que seguem até o domingo”.

A informação foi de Rolland Gianotti (O Globo): “O bloco dos mijões não para de crescer nas delegacias: a operação Choque de Ordem já flagrou e 'levou em cana' 639 deles. Fazem parte do grupo 17 mulheres e quatro estrangeiros que urinavam na rua durante fiscalização. por xixi na rua.
Só nesta terça-feira, em Santa Tereza, 30 mijões foram levados para a 7ª DP (Santa Teresa). Na segunda-feira, em Laranjeiras, a fiscalização levou para a 9ª DP (Catete) 10 mijões que urinavam na rua. E mais 44 mijões foram levados para a 14ª DP (Leblon).

Desde o início das operações no pré-Carnaval, dia 12 de fevereiro a Seop vem divulgando o número de prisões, que só aumenta. Até segunda-feira, 606 pessoas foram levadas para a delegacia em quase um mês de operações. Quase o dobro do ano passado.

Essa é uma grande injustiça, Alex da Costa deveria ser levado para a Câmara dos Deputados em Brasília, para que efetua-se a detenções de cagões, que abundam na Casa. Terá logo de saída Paulo Maluf, JoãoPaulo Cunha, Jaqueline Roriz e o deputado Natan Donadon (PMDB-RO), que mesmo tendo sido condenado a 13 anos e quebrados de cadeia, continua inconstitucionalmente indo à Câmara, impune, forte, rijo e valente, fazendo seu cocô de cada dia.

Cadeia para os cagões!



(*) Fotomontagem: Paulo Maluf, um pobre folião fazendo seu xixi e que foi logo depois preso, Jaqueline Roriz e João Paulo C