31 de ago de 2007

Svengali

Por Ralph J. Hofmann

“Tanto podia bajular quanto tiranizar e podia ser grosseiramente impertinente. Tinha um humor cínico que era mais ofensivo do que divertido e sempre ria das coisas erradas, nos momentos errados, nos lugares errados. E sua risada sempre era de escárnio e maliciosa."

O trecho acima descreve Svengali o vilão de “Trilby”, romance de 1894 por George Du Maurier, várias vezes filmado. Svengali mantinha o poder sobre a pobre Trilby através do hipnotismo, gerando uma dupla personalidade através da hipnose.
Sabe-se que Svengali foi inspirado numa série de casos verídicos detectados ao longo do século dezenove. Talvez a hipnose não explicasse tudo. Há pessoas que desejam ser dominadas, que outros decidam por elas e que acabam adorando seus algozes.
Contudo leiam com atenção o texto acima. A lembrança deste texto me veio ao ver a entrevista de Zé Dirceu na televisão ontem à noite.
Subitamente o nome Svengali me veio à mente. Como uma pessoa que nega evidências tão fortes pode continuar sendo o inspirador, a mão forte dentro de um partido? Como ante as evidências de má administração salvo por umas poucas e parcas políticas sociais consegue manter a maior parte de um partido sob seu jugo? Hipnose coletiva? Má fé coletiva? Como conseguem rejeitar o óbvio que é a reinvenção do partido proposta por Tarso Genro?
No fim do romance Svengali morre. E sua criatura, a cantora Trilby morre horas depois. Talvez Trilby no seu íntimo soubesse que caso seu controlador morresse ela também teria de morrer. Isto talvez explique a peculiar e irreal, até canina fidelidade a Zé Dirceu.
Mas continuando com o assunto Zé Dirceu e deixando Svengali de lado, ha coisas que me deixam perplexo. Quanto Zé Dirceu declara de renda. Diz ser consultor. Onde estão os recibos de consultoria. Quanto disto são despesas. Como as comprova. Para quem trabalha. Os proventos de Zé Dirceu são por escambo? Em troca de hospedagem e caronas de jatinho? Quanto isto implica em dispêndio. Se forem dispêndio dos clientes são receita do José Dirceu? Zé Dirceu lança essas caronas de jatinho como receita? Como custo? Mas se só recebe essas mordomias como honorários elas podem ser consideradas custo? Não deveriam ser consideradas renda sujeita a impostos. Aonde recolhe o ISS sobre suas atividades?
Hello! Secretário da Receita. Vai verificar isto, não é? Ou será que uma boa alma enterrada na burocracia da receita não faz o favor de enviar esses dados para algum diário ou revista semanal?
Ou Svengali hipnotizou a todos?

Enquanto isso no congresso do PT...

Há pouco, na primeira sessão do III Congresso Nacional do PT aberto no Centro de Exposição Imigrante na capital paulista, o ex-ministro da Saúde Humberto Costa fez um discurso onde disse lá pelas tantas:
- A crise ética foi um problema de todo o partido.
Aí Miguel Rosseto, ex-ministro do Desenvolvimento Agrário, falou em seguida e disparou:
- Não, companheiro Humberto. A crise ética não foi culpa de todo o PT. É culpa de um setor que dirigia e que ainda dirige o partido.
Foi aplaudidíssimo.

Comentário: José Dirceu, o inocente, ainda não estava no local.

Do blog de Noblat

Será que é paúra?

Lula comunicou aos “cumpanhero” que não vai hoje à abertura do 3º congresso do PT. A desculpa foi tipo aquelas que os artistas dão quando terminam um relacionamento: “incompatibilidade de agendas” (quaraquaquá).

Mas, segundo a assessoria de Lula, ele vai comparecer amanhã, quando vão debater a ética (quaraquaquá). O grande guia deve ter muito a falar sobre o tema, os “cupanhero” vai sair iluminados e tranquilis.

Ah, por falar em 3º congresso do PT, este ano vai ter uma novidade. A platéia será dividida.

Logo na entrada um “cumpanhero” de camiseta vermelha (dhãrrrrr), vai perguntar ao participante: é ativo ou passivo ? (quaraquaquá).

Que gracinha este governador


Recebo do blog do Chico Bruno um comentário sobre o interessante Waldez Góes do PDT, governador do Amapá a quatro anos e oito meses. Ele possui nada menos que 69 parentes empregados, feito que o torna “campeão nacional do nepotismo”, segundo o Jornal O Liberal.

Pelos cálculos do Jornal, os “Góes” recebem dos minguados cofres do tesouro amapaense, mais de R$ 2 milhões anuais.

Essa turminha não é fácil não!

Os Pretenciosos "Desavisados"

A prepotência como mentem tentando contrariar as verdades cristalinas, colocam o presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, o ministro da Defesa Nelson Jobim, que tem se apresentado um falastrão que nada realiza e o facínora deputado cassado José Dirceu, no mesmo balaio.
Jobim, que tem se apresentado um falastrão que nada realiza e o facínora deputado cassado José Dirceu, no mesmo balaio.
Lula como sempre confunde as coisas, não distingue o que é um pênis de um equinócio. Nelson Jobim, que deve ainda à nação explicações de sua atitude criminosa ao inserir artigos ilegalmente na Constituição, ameaça os comandantes militares. José Dirceu com seu hábito stalinista, lança invectivas contra a imprensa. (G.S.)
Carlos Chagas, com muita propriedade escreve sobre o assunto:
“Mais do que uma frase, Tancredo Neves ministrava uma lição de vida ao afirmar por mais de uma vez, segundo conta Ronaldo Costa Couto: "Se Deus não lhe deu a graça da humildade, peça então a Ele a arte da dissimulação. Finja que é modesto."
A quem se aplicariam hoje esses conselhos magistrais? A meio mundo, começando pelo presidente Lula, passando pelo ministro Nelson Jobim, encostando em José Dirceu e quantos mais?
Diante da decisão do Supremo Tribunal Federal de receber a denúncia contra os 40 mensaleiros, o presidente Lula extrapolou. "Quiseram me atingir, mas fui reeleito com 61% da população!" Ora, tem muito pouco a ver a reeleição com os processos contra os réus de um dos maiores escândalos da República. É claro que mesmo se tivessem sido denunciados antes das eleições do ano passado, o presidente teria vencido. Talvez com menos de 61% dos votos, mas vencido. Para que misturar as duas coisas?
Arrogância também demonstrou o novo ministro da Defesa. Sem poder justificar a ausência dos comandantes das três Forças Armadas no Palácio do Planalto, pelo lançamento de um livro denunciando torturas no período militar, Jobim acentuou "não haver um indivíduo sequer capaz de reagir àquele ato natural, mas, se houver reação, haverá resposta". Para que tanta presunção, quando se sabe que qualquer resposta do governo, nesse caso, caracterizaria uma crise institucional dos diabos?
Já José Dirceu mereceria um período de silêncio por parte de seus críticos, tendo em vista ter sido reduzido a frangalhos por ação do STF. Mas não se emenda, o ex-chefe da Casa Civil e deputado cassado, porque em vez de curvar-se à evidência dos fatos, assumindo apenas o papel de vítima, arvorou-se em senhor dos anéis. Para ele, tudo faz parte de uma conspiração.
Seria bom não esquecer as lições do dr. Tancredo. Poderiam os detentores e ex-detentores do poder fingir que são modestos. Lucrariam muito mais.

Calma boneca!!!

Somos apressadinhos

Por Ralph J. Hofmann

No fim dos anos 80, cansado de entrar em filas devido à falta de álcool para meu carro, reformei o motor do mesmo e o converti para gasolina. O preço mundial do açúcar havia melhorado, os usineiros haviam desviado matéria prima para o açúcar, e não havia suficiente álcool carburante. Viajar de carro a álcool se tornara um inferno. Certa vez, tarde da noite, o carro cheio de crianças cansadas de viajar cheguei a comprar trinta litros de álcool de limpeza em um armazém na estrada e (dica para os curiosos) o filtrei com filtros de papel para café para usar no carro.
Isso aconteceu com um produto já maduro como o Pró-alcool. Contudo discutindo entre amigos o que poderia acontecer, minha turma de mesa de bar já havia previsto isto lá por 1978. Quando soube que o soja seria um dos componentes do H-BIO calei-me. Considerei que o Brasil flutua num mar de soja e que, por outro lado, ao menos os técnicos engajados nos bio-qualquer-coisa levariam em conta demanda/suprimento.
O pior é que Lula não cansa de exigir acesso de nosso álcool ao mercado americano ridicularizando o álcool de milho que eles usam no seu “gasohol”. Bem, conforme material lido no Newsletter Videversus.


PETROBRÁS PÁRA DE PRODUZIR H-BIO

A alta do preço do óleo de soja levou a Petrobras a suspender a produção do H-Bio, um novo tipo de diesel apresentado com grande destaque pela estatal, em maio do ano passado, como uma evolução na tecnologia de produção de derivados de petróleo. O produto leva óleos vegetais em sua mistura e, segundo a empresa, não vale a pena, neste momento, vendê-lo ao mesmo preço do diesel derivado de petróleo. As altas cotações dos óleos vegetais são motivo de preocupação também para as distribuidoras de combustíveis, que começam a negociar contratos de fornecimento de biodiesel para o ano que vem. Segundo dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da USP (Cepea), a cotação do óleo de soja bateu recorde na Bolsa de Chicago em julho, atingindo os US$ 832,26 por tonelada. Em São Paulo, o produto fechou o mês com um preço médio de R$ 1.703,36 por tonelada, valor 36,2% superior ao registrado em julho do ano passado. Pesquisadores da entidade apontam como causa o aquecimento do mercado interno, que vem reduzindo os estoques em mãos dos produtores. "Hoje não compensa produzir o H-Bio", afirmou, na quarta-feira, o diretor de abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa. Apesar do cenário atual, a companhia tem como meta produzir 425 milhões de litros de H-Bio em 2008, volume que deve saltar para 1,6 bilhão de litros em 2012, após investimentos de US$ 60 milhões, previstos no planejamento estratégico divulgado no início do mês. Executivos do setor de combustíveis dizem que um outro problema começa a surgir com a disparada do preço do óleo de soja: o risco de que empresas vencedoras dos leilões de biodiesel da Agência Nacional do Petróleo (ANP) não entreguem os produtos.

(Fonte – VIDEVERSUS – Newsletter)

Tudo tem limites

Por Chico Bruno

Os leitores já devem ter notado que muitos jornalistas estão no limite da tolerância com a montanha de baboseiras ditas por determinadas autoridades. Um exemplar surrealista desta onda, que assola o país, é o presidente Lula com sua permanente síndrome de Thomé de Souza.
Na semana passada, por conta das lentes do fotógrafo Roberto Stuckert Filho, de O Globo, se inclui neste rol os ministros Carmem Lúcia e Ricardo Lewandowiski, que trocaram e-mails, no mínimo jocosos, durante o julgamento do Mensalão.
Esta semana, o mesmo ministro Ricardo Lewndowiski é flagrado pela jornalista Vera Magalhães, uma das editoras da coluna Painel, da Folha de São Paulo, afirmando ao telefone, em alto, bom tom e local público, que o STF votou pela abertura de processos contra os mensaleiros com a faca no pescoço e que por conta disso foi impossível, para alguns ministros, amaciar as decisões contra o Zé Dirceu.
O raio caiu uma vez na cabeça de Lewandowiski e ele não aprendeu a lição, tanto que deixou que outro raio lhe atingisse esta semana.
A tolerância de alguns jornalistas está no limite justamente por que além das sandices, os autores incriminam a imprensa.
Ora bolas, a imprensa está cumprindo com o seu papel. As fotos dos e-mails e o telefonema do ministro do STF foram flagrados em locais públicos.
Ninguém está colocando a faca no pescoço das autoridades. Eles próprios, é que estão trocando as mãos pelos pés, haja vista, que a opinião pública está meio que anestesiada e por isso nem pressão popular existe. A mídia apenas capta e divulga o que se passa no dia-a-dia da política, cada vez mais degradado pelos seus atores. Nada, além disso.
Quem viu a sessão do Conselho de Ética, que decidia se acatava ou não parecer sobre a cassação de Renan Calheiros, deve concordar que o que acontecia ali era uma zorra total.
A mídia cumpriu seu papel e mostrou um senador chamando o outro de palhaço, vendido, comprado e boneca. As imagens são constrangedoras, mas verdadeiras.
Pior, ainda, é o Zé Dirceu colocar sob suspeição o julgamento do Mensalão se aproveitando do que escreveu e disse o ministro Ricardo Lewandowisk. Cinicamente, Dirceu coloca em um liquidificador as reportagens sobre os e-mails e o telefonema para fuzilar a imprensa com a seguinte frase:
"Estamos vivendo sob a ditadura da mídia"
Ainda bem, que existem autoridades com bom senso, como a ministra Ellen Gracie, presidente do STF, que coloca os pingos nos “is” com uma nota curta e esclarecedora sobre todas as sandices e baboseiras ditas nos últimos dias.
"O Supremo Tribunal Federal – que não permite nem tolera que pressões externas interfiram em suas decisões – vem reafirmar o que testemunham sua longa história e a opinião pública nacional, que são a dignidade da Corte, a honorabilidade de seus Ministros e a absoluta independência e transparência dos seus julgamentos. Os fatos, sobretudo os mais recentes, falam por si e dispensam maiores explicações."

O povo brasileiro

Por Peter Wilm Rosenfeld

Desde minha infância, sempre ouvi dizer que o povo brasileiro era de índole especialmente boa. Não tinha preconceitos, aceitava as vicissitudes de forma bastante tranqüila, preocupava-se com seu sustento básico sem qualquer inveja dos que gozavam de melhor situação que a dele.
Em boa parte, isso era atribuído à miscigenação resultante do cruzamento das várias raças (designação com a qual não concordo) que haviam contribuído para se chegar aonde se chegara até então: branca, negra, índia, amarela, etc, que inclusive teriam contribuído para a existência da cor mulata, de beleza excepcional. Igualmente, nacionalidades distintas conviviam em perfeita harmonia, apesar de em seus países de origem muitas delas não se entenderem.
Continuo acreditando que o ser humano brasileiro (de qualquer sexo) é de muito boa índole. Honesto, luta de forma corajosa, mas pacífica por sua sobrevivência e, em grande parte, orgulha-se de sua nacionalidade.
O que me leva a abordar esse tema é a constatação que, cada vez mais, essa gente é contaminada pelos maus brasileiros que, lamentavelmente, estão se reproduzindo a uma velocidade maior do que a dos coelhos...
É triste verificar que um dos maiores jogadores de futebol do Brasil se celebrizou e é sempre lembrado por uma frase criada para a divulgação de u’a marca de cigarros que já nem mais existe: “é preciso levar vantagem em tudo”.
Ousaria dizer que a quase totalidade dos políticos pensa assim, desde o vereador e o prefeito do menor município brasileiro até os políticos mais eminentes do País. Sem qualquer sombra de dúvida, grande quantidade de empresários, também de todos os portes, acompanha esse pensamento.
Os pseudo-religiosos, à frente o milionário (ou biliardário?) bispo Edir Macedo, também estão nessa categoria.
Não fora assim, como explicar/justificar a cada vez maior quantidade de corruptos (para cada corrupto há pelo menos um corruptor...)? E o cada vez maior grau de impunidade de que essa gente goza?
Será que nunca mais veremos o bem predominar sobre o mal? O mau ser premiado às custas do bom ?
Dirão os espertos (apoiados pelos expertos): são nossas leis e códigos que são falhos, pois permitem toda a sorte de procedimentos protelatórios; que rezam que “ninguém é desonesto até que a última sentença condenatória tenha transitado em julgado”. Beleza de frase, que a maioria dos leigos não entende, e que frustra a totalidade dos honestos.
Nem que o criminoso confesse seus crimes, sob qualquer justificativa e sem ter sido torturado para confessar, ele continua a ser inocente. Beleza pura, pois não? E o que é necessário para isso?
Basta que esse criminoso tenha recursos, ainda que potenciais, para usar de todas as chicanas que nossas famosas leis lhe oferecem. Como o coitado ladrão de galinha ou de um litro de leite não dispõem do vil sonante, são trancafiados e, muitas vezes, esquecidos em nossos aprazíveis presídios...
Aliás, um parêntese: qual a razão de todos nossos presídios ou carceragens serem verdadeiras pocilgas, exceto as recentíssimas prisões de segurança máxima? Será que todos nossos apenados se assemelham a suínos? E qual a razão para que um detentor de curso superior tenha direito a prisão especial, se é tão criminoso, tão bandido, quanto qualquer outro? E seguramente mais bandido do que uma pobre mulher que roube um pacote de manteiga?
Voltando à desculpa de nossas leis e códigos estarem superados (e estão mesmo, todos. São do tempo em que os lampiões eram a óleo e os bondes puxados por tração animal...). Por que nossas elites não tratam de atualiza-las ? O Brasil sempre foi conhecido como o país dos bacharéis, onde toda e qualquer pessoa merece – e aceita, o tratamento de “doutor”, apesar de a maioria (ou grande parcela dela) não ser; qual a razão, repito, para que as leis não sejam atualizadas ?
É evidente a razão única para isso: não interessa a essa massa que sempre quer levar vantagem em tudo!
Quem sofre com isso, evidentemente, são os ainda milhões de cidadãos sérios, honestos, que trabalham dignamente para ganhar o sustento de sua família, para tentar dar a seus filhos um nível mais elevado de instrução, mas que luta com incontáveis obstáculos para consegui-lo.
Quando eu era pequeno, o grande ditado brasileiro era “se o Brasil não terminar com a saúva, a saúva terminará com o Brasil”.
O ditado hoje só pode ser “se o Brasil não terminar com os corruptos, os corruptos terminarão com o Brasil”. .
A cegueira e a ignorância de nosso assim chamado primeiro mandatário fazem com que o Sr. Lula da Silva ignore completamente essa realidade; aliás, mais do que ignorar, até parecem estimular sua continuidade, ao proteger, entre outros tantos, o Ali Babá brasileiro e seus quarenta ladrões (parafraseando o digno Procurador Geral da República).

Andar com fé eu vou que a fé não costuma falhar...

O que há em comum entre o acidente da Supervia, ocorrido ontem próximo a estação de Austin, no município de Nova Iguaçu no Rio de Janeiro e o de Congonhas? Você pode achar que nada, mas vamos lá. O sindicato dos ferroviários já havia informado sobre as más condições da malha ferroviária, antes mesmo das investigações, já se culpa o maquinista a quem é imposta 12 horas de trabalho ao invés de 8 como seria o correto.
A diferença é que o Governador Sérgio Cabral, por incrível que pareça, pronunciou-se imediatamente, pedido prioridade no atendimento as vítimas e cobrou explicações. As vítimas serão atendidas nos hospitais da região e caso consigam sobreviver as condições depois de terem sobrevivido ao acidente, tornaram-se praticamente imortais. Semelhante ainda é que na terça-feira o Deputado Marcelo Simão, também presidente da Comissão de Transporte da Assembléia Legialativa do Rio (ALERJ) ao reunir-se com a direção da Supervia, foi informado que o risco de acidentes era ZERO. Deve ser zero para quem não usa trens. A malha ferroviária brasileira está se perdendo. Pode-se ir de trem a quase todos os lugares do nosso extenso território, mas esta opção é praticamente descartada pelo governo brasileiro. Enquanto isso milhões que foram empregados por nós que pagamos impostos, vão se deteriorando a beira de cidades por onde correm as linhas férreas. Vamos mencionar o Ministro da Cultura Gilberto Gil, “Andar com fé eu vou, que a fé não costuma falhar” assim ele terá um feito relevante no seu mandato, fazer do refrão uma oração antes de utilizarmos os meios de transporte no país. (F.S.)

Leia a matéria em O Dia online

"Contrappasso"

Por Giulio Sanmartini

Lula tem o desleal sistema de tratar as pessoas como laranjas, depois de chupá-las joga fora o bagaço (acho que foi Roberto Jefferson, quem disse isso), mas isso não interessa muito, o fato é que ele é useiro e vezeiro em agir dessa forma desonrosa e vil. Pode-se citar como exemplo que ele fez com o seu aliado, deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), que o usou como presidente da Câmara e depois o trocou por Arlindo Chinaglia. Sua lealdade só prevalece para os “companheiros” declaradamente desonesto.
Lula andou toda sua vida pública pendurado na mídia e por esta prestigiado, muitos jornalista simpatizavam com suas pretensões políticas e alguns chegaram a tornar-se seus torcedores fanáticos.
Ascendeu ao governo trazendo a obrigação de “mudar tudo isso que está ai”, mas a realidade mostrou-se bem outra: um presidente incapaz, que do poder somente quer usufruir das benesses, que não gosta de trabalhar, que empurra todas as decisões com a barriga, que tenta jogar para debaixo do tapete os inúmeros escândalos que grassam no país, como jamais se viu antes; que promete sistematicamente projetos mirabolantes, que terminam sepultados. no jazigo da inixeqüibilidade.
Os jornalistas, na prática de sua atividade tem por obrigação moral, levar aos leitores as notícias sem maquiagens mentirosas, o que pare estar contrariando profundamente o presidente Lula, que passou a atacá-la e a culpá-la por sua incapacidade de governar.
Para pessoas assim existe o “contrappasso” de Dante Alighieri, citado no canto XXVIII do Inferno na Comédia: que infligem àqueles como ele, o mesmo tipo de ofensa que infligiu aos outros.

(*) Ilustração, por Domenico da Michelino (1465)

Sobre O assunto escreve Alberto Dines:
“Eu não brigo com a imprensa. Eles brigam comigo...O fato dela [a imprensa] bater não impediu que eu chegasse à Presidência da República e não impediu que eu me reelegesse."
Esta declaração do presidente Lula foi registrada na sexta (24/8), no Paraná. Contém três inverdades:
** Em 2002 a imprensa não bateu no candidato Lula. Ao contrário, o candidato do PT foi tratado pela mídia com respeito e simpatia. Se houve excessos foram a seu favor.
** Foi o presidente Lula quem deu seqüência aos ataques da direção do PT à mídia quando tentou recuperar sua imagem logo depois do escândalo do "mensalão".
** A briga com a imprensa foi puxada pelo presidente-candidato Lula em meados de 2006

Leia a matéria no Observatório da Imprensa.

Sem Comentários...


...É POR AÍ MESMO!

Chega de Insultar. O Limite Já Foi Atingido!

O Relatório do Conselho de Ética do Senado, que pede a cassação do senador Renan Calheiros (PMDB-AL), assinado pelos senadores Marisa Serrano (PSDB-MS) e Renato Casagrande (PSB-ES), apresenta oito evidências demonstrando que Renan quebrou o decorro parlamentar:

1) uso de lobista de empreiteira beneficiada com emenda de Renan ao Orçamento como intermediário nas relações monetárias com a ex-amante Mônica Veloso; 2) ausência de comprovação de disponibilidade financeira do senador para bancar a pensão à filha que resultou do relacionamento extra-conjugal; 3) irregularidades nas declarações do Imposto de Renda; 4) omissão de dados a respeito de contas correntes mantidas em nome do senador; 5) admissão de uso de verba indenizatória –destinada exclusivamente ao custeio de despesas relacionadas ao exercício do mandato— para financiar gastos pessoais; 6) sonegação à Receita Federal das informações relativas a empréstimo contraído por Renan na empresa alagoana Costa Dourada; 7) o presidente do Senado “mentiu” sobre os saques bancários. Disse que serviram para o pagamento da pensão à filha. Verificou-se que bancaram despesas que nada têm a ver com os repasses à jornalista Mônica Veloso; 8) Renan omitiu informações consideradas relevantes para as investigações.

O presente do Conselho de Ética, e assecla do senador alagoano Leomar Quintanilha (PMDB-TO), tentou impor o voto secreto para o pedido e cassação do mandato de Renan, mas foi derrotado por 10 votos a 5. Logo entraram em campo dois jugunços de Renan Calheiros Wellington Sangalo (PMDB-MG) e Gilvam Borges (PMDB-AP) pedindo vistas do documento, assim a votação será adiada para a próxima quarta feira, numa manobra para tentar deter o voto secreto.
Renan Calheiros, está tentando de todas as formas manter-se no cargo. Todavia caso isso aconteça será como escarrar na cara dos eleitores brasileiros o pus pútrido que alimenta as entranhas desse políticos patifes. (G.S.)
(*) Fonte: Josias de Souza.

Para Lula Ler (Caso Não Esteja com Uma preguiça “Disgramada”).

Trecho o relatório da Comissão de ética do Senado que pede a cassação do senadro Renan Calheiros (PMDB-AL):
- Não obstante a ninguém seja correto opor relação de amizade com quem quer que seja, é fato que o homem público deve ter o cuidado de distinguir, em sua vida pública, o que é aceitável do ponto de vista do agir ético. Ter amigo em alguma atividade que possa gerar conflito de interesses em relação ao cargo que se ocupa, de per se não é reprovável. É reprovável, entretanto, aquele que exerce função pública permitir que esta relação de amizade possa trazer qualquer dúvida quanto a sua conduta. Qualquer político, (em especial aquele que exerça cargo de importância) deve zelar pela honorabilidade de sua posição, não permitindo que sobre si pairem quaisquer dúvidas relativamente à ética.
Portanto é inoportuno e contrário à liturgia do cargo, o presidente da República deixar-se fotografar, muito a vontade, com um patife que está para ser cassado. (G.S.)

(*) Foto: O presidente Lula e Renan Calheiros no Palácio do Planalto, durante a solenidade de lançamento do livro "Direito à Memória e à Verdade" (29/8).

Cala a Boca Ministro!

O ministro do Supremo Tribunal Federal STF Ricardo Lewandowski (foto), em uma semana foi pilhado em duas atitudes totalmente incompatíveis com a importância do cargo que ocupa. A primeira foi uma conversa através de lap-top com a colega Carmem Lúcia.
No passado dia 28 o ministro estava jantando num restaurante quando começou uma conversa por telefone celular, nos jardins externos do local, onde existem algumas emsas e numa destas estava sentada a repórter da Folha de São Paulo Vera Magalhães, que pode ouvir o que era dito a um interlocutor de nome Marcelo, algo muito comprometedor a todos o ministros do STF:
1)“A imprensa acuou o Supremo”; 2) "Todo mundo votou com a faca no pescoço”; e 3) “A tendência era amaciar para o [José] Dirceu”.
A presidente do Tribunal, ministra Ellen Gracie imediatamente rebateu às afirmativas de Lewandowski: “O Supremo Tribunal Federal – que não permite nem tolera que pressões externas interfiram em suas decisões – vem reafirmar o que testemunham sua longa história e a opinião pública nacional, que são a dignidade da Corte, a honorabilidade de seus ministros e a absoluta independência e transparência dos seus julgamentos. Os fatos, sobretudo os mais recentes, falam por si e dispensam maiores explicações.”
Espera-se o esse puxão de orelhas faça o magistrado falastrão ser mais comedido e discreto quando emite suas polêmicas opiniões. (G.S.)

30 de ago de 2007

Daqui eu não saio. Daqui ninguém me tira

Ontem a Câmara municipal de Ilhéus cassou (por 12 votos contra 1) o mandato do prefeito Valderico Reis. Hoje a tarde o então vice-prefeito foi empossado, porém, tudo estava bem, muito bem, mas...O prefeito cassado entrou na prefeitura de já disse que de lá não sai. Está amotinado. Ele mesmo chamou a guarda municipal que permanece na porta da prefeitura evitando a entrada de qualquer um. Foi pedido um reforço da Policia Militar que até o final da tarde de hoje tentava tirar o prefeito amotinado através da negociação.
Centenas de pessoas se aglomeravam em frente ao Palácio Paranaguá, a cidade parou.

Porta da Prefeitura

A cidade parou para ver o prefeito birrento

Com informações do Agora online.

No bordel

Pronto, o bufão Wellington Salgado pediu vistas do relatório. A votação do caso Renan fica adiada para quarta-feira da semana que vem. A pauta do senado prossegue trancada, Renan cinicamente continua presidindo aquele bordel que se chama senado federal.

A defesa

O senador Almeida Lima (aquele que Tasso Jereissati chamou de boneca) começa a ler o seu relatório em defesa de Renan.

Segundo o senador Almeida Lima, carecem de provas todas as acusações publicadas pela revista Veja e pelos jornais O Globo, Correio Braziliense e Folha de São Paulo, que foram utilizadas na representação do PSOL contra o senador Renan Calheiros.
- A representação não apresentou nem fatos nem provas. O PSOL escora-se e procura se sustentar nas muletas da revista Veja, que assaca agressões de toda ordem sem nominar fontes ou colocar aspas para as conjecturas que produz - protestou Almeida Lima. (Fonte: Agência senado)

A vaca faiô

Segundo o relatório preparado pelos senadores Marisa Serrano e Renato Casagrande, pela análise da Polícia Federal nos documentos apresentados por Renan, não foi possível concluir que de fato o gado declarado existe. Nem tem como comprovar o número de cabeças ou a evolução do tal rebanho. Segundo o relatório as empresas para as quais Renan teria vendido gado apresentam ilícitos tributários e algumas estão em lugar incerto e não sabido.

Ou seja, apesar de investir numa boa vaca, Renan não teve retorno em bois.

No corredor...

Manifestação de deputado do Psol pelo voto aberto no Conselho de Ética.

O líder e o humor

Por Ralph J. Hofmann

Lá por 1966 conheci uma pessoa que tinha certa intimidade com membros da família do General Costa e Silva, na época presidente.
Não creio ter havido nenhum presidente desta fase do Brasil sobre quem mais se contavam piadas. Castelo Branco era um sujeito sério, Médici, sisudo, Geisel, distante e Figueiredo, bem, era Figueiredo.
Mas Costa e Silva era de fato um sujeito que se prestava a piadas. Havia histórias sobre seu amor ao turfe, havia histórias sobre sua falta de inteligência e assim por diante.
Por exemplo, tem aquela do: “Fulano, sei o que é Petrobrás, Radiobras e outras, mas o que faz esta Emobras que tem placas em todos os lugares do Brasil que visito?” A resposta: "Em obras meu General".
Não tenho hoje a menor idéia de como era realmente intelectualmente o General. Sei que o exército não era pródigo em promoções para pessoas que não tivessem certo QI. Mas em um sentido, pelo que me contou esta pessoa ligada por amizade ao filho do General, percebi que tinha um excelente senso de humor. Aparentemente ele fazia questão de colecionar todas as “piadas de Costa e Silva” que surgissem.
Perguntado sobre a razão disso comentou que lera em algum lugar que enquanto se fabricam piadas sobre o governante as coisas ainda vão bem. Quando cessam as piadas, ou as pessoas não se atrevem a contá-las abertamente, aí é que o barril está a ponto de explodir.
Anos depois, eu estava na FISA, Feira Internacional de Santiago, no Chile. Pinochet estava por passar pelo nosso stand. Os vendedores ligados a nós estavam aí perto contando piadas sobre o Pinochet, apenas sobre o Pinochet, sobre nenhum outro general da junta militar.
Eu conversava com um chileno distinto, de porte militar, com aparência mais britânica ou escocesa do que hispânica. Aparecera no stand e se detivera, rindo das piadas. Do espanhol passamos a falar inglês. O dele era fluente, e com sotaque escocês. Depois de um tempo identificou-se como oficial da Armada chilena. Era descendente de uma daquelas famílias de oficiais navais ingleses que tem tanta presença na história das Américas. Perguntei se devia pedir à turma que parasse de contar este tipo de piada. Ele respondeu que não. Disse o mesmo que havia dito Costa e Silva. O regime sabia que as piadas eram salutares. Reduziam a pressão.
E aí vamos nós para Lula e o “Bêbado e o Equilibrista”. Não pense Lula que Churchill não foi alvo de piadas. Seu hábito de tomar champanhe no café da manhã e uma garrafa de conhaque à noite não era desconhecido. Mas a estatura do homem era tal que isto não queria dizer nada. A rainha-mãe da Inglaterra tomava uma garrafa de gim por dia. Ainda assim era o membro mais amado da família real.
O problema de Lula é outro. Quem se importaria com a 51 se Lula presidisse o país com firmeza. Poderia tomar tanto quanto quisesse. Talvez se nos seus comparecimentos em público não tivesse rompantes absurdos, desdizendo discursos de anos anteriores também. Talvez se não fanfarronasse tanto sobre seus feitos e não feitos isso também não quisesse dizer nada. Pode até ser que na maior parte destes quase cinco anos ele tenha limitado seu consumo. Mas pelo que diz freqüentemente é mais gentil dizer que andou bebendo do que dizer que ele é mal intencionado, que quer iludir os que o escutam. As piadas evitam o desespero.

O bufão adia a decisão



Antes mesmo da votação, o senador bufão Wellington Salgado (foto) pediu vistas do relatório apresentado por Marisa Serrano e Renato Casagrande. Isso só pode acontecer após a votação, como explicou Demóstenes Torres. A seção prossegue com a leitura do relatório de Almeida Lima, mas já se sabe que diante do pedido de vistas a decisão será adiada.

Bico internacional

Fonte: JB - Tales Faria


Vem encrenca aí para o gabinete da senadora Serys Slhessarenko (PT-MT). Uma funcionária que está lotada lá, Solange Amoreli (foto), na verdade mora nos Estados Unidos.




Solange e Serys

Barraco com foro privilegiado

Bate boca na sessão do Conselho de Ética entre Tasso Jereissati e Almeida Lima (baba ovo de Renan). Jereissati, batendo na mesa disse que Almeida lima é um “palhaço”. “Você está vendido, rapaz”. Quando Almeida Lima começou a gritar, já em pé, o tucano disse: “Calma, boneca.”

Como se vê, tudo com muita “catiguria”.

Falta de educação

Clima tenso no Conselho de Ética do senado que está reunido neste momento para decidir sobre o voto aberto ou fechado do caso Renan. O senador Demóstenes Torres, defensor do voto aberto, para o senador Welington Salgado:
- Vossa excelência deveria estudar o regimento interno do Senado. Vossa Excelência foi mal educado comigo.

Com e sem concepção

Crime e castigo

Por Ralph J. Hofmann

Abaixo vemos o castigo vigente até o século dezoito para certas violações se normas morais e éticas das sociedades da época em, grande parte da Europa, e nas colônias inglesas.
Era uma forma de condenar ao opróbrio esses elementos. Ocasionalmente, antes de ser colocados neste instrumento podiam ser banhados em piche e depois empanados em penas de ganso.
Já citamos este castigo antes neste Blog, mas talvez seja bom lembrá-lo. Parece um castigo feito sob medida para “pobres meninos ricos” que agridem empregadas e outros anti-sociais. Talvez possa fazer parte também de castigos maiores a pessoas que metodicamente ataquem o erário público.
Este castigo não fere nem causa danos permanentes senão os danos psíquicos. Pode ser acompanhado de uma “ovação”, ou seja, de uma chuva de ovos podres e tomates idem.

Até Ele Veio Dar Sua Queixa...


... DÁ-LHE ELEFANTE

Aprovação Imediata

Por Fabiana Sanmartini

Parabéns à juíza da 3ª Vara Pública, Milena Angélica Moraes que indeferiu o mandado de segurança contra o decreto 618 da Câmara dos Vereadores impetrado pelo prefeito César Maia. Parabéns também para o vereador Dr. Jairinho (PSC), autor do Decreto.
Com esta decisão cai a aprovação imediata e voltam os conceitos “Ótimo” e “Insuficiente”, ou seja, tem que estudar e saber a matéria para passar (no meu tempo, e olha que eu ainda não sou tão velha assim, isso era o normal). É bem verdade que o prefeito ainda pode recorrer. Mas, por enquanto está garantida a educação e instrução e que saibam que a lei é para ser cumprida, por incrível que pareça para os nossos políticos. Fiquei em dúvida, a quem interessa a aprovação imediata? Quem se beneficia? Quem paga a conta e fica com o prejuízo, nós já sabemos, é a população. Vamos deixar claro que o governo tem por obrigação manter a integridade e as condições de quem estuda na rede pública. Mais que isso tem que manter a segurança e condições de trabalho dos professores. Se é para aprovar sem estudar, que o governo libere os profissionais da educação para passear pelas maravilhas do Rio mantendo, é claro, seus salários ofensivamente medíocres, em dia. E pode aproveitar e transformar as escolas em boites e áreas de lazer. Sem educação não se formam cidadãos. Então teremos lugar suficiente para manter a corja de marginais, como os pit boys que agrediram a doméstica Sirlei, como os policiais que roubam, estupram e assassinam, todos com lazer suficiente e “arenas” para promover as cenas de barbárie já tão costumeiras no Rio. Entendamos uma coisa, é através educação e do exemplo, e só por eles, dado das crianças que criaremos um país digno. Vocês podem mesmo se perguntar por que eu ainda acredito e me incomodo com estas coisas previsíveis e comuns para tantos outros. É que, como a juíza, acredito que cada um grita como pode. Que da mesma forma que cobro competência e ação de quem foi eleito para isso, que quem ocupa cargos públicos, concursados, devem estar preparados para assumir o que lhe é proposto, seja como médico, policial, professor, engenheiro...eu também grito como posso. Por idealismo, talvez, para ensinar as minhas filhas a serem responsáveis pelas escolhas que fazem e assim fazer minha parte na construção de um país, que eu insisto em acreditar. O que os governantes ainda não sabem, mas que as vozes que se elevam em protestos já os estão fazendo ver, é que os brasileiros não querem alugar o país e mais, que eles podem sair, mas vão ter que deixar a luz acesa porque não vamos desistir.

= Mensalão no Banco dos Réus

Villas-Bôas Correa, com seu estilo inconfundível, sua ironia aguda e sua experiência em Brasil, mostra-se verdadeiramente agradado com a atitude do poder Judiciário, no que concerne ao 40 acusados do “mensalão”. Diz ter a impressão de estar vivendo algo inédito no país sob diversos aspectos, um deles é a abertura de processo contra José Dirceu, José Genoino e Delúbio Soares (G.S.)
“Os milhões de brasileiros que purgam anos de vergonha com o descalabro moral que parecia contaminar os três poderes em estágios diferentes da praga, estão se sentindo mais leves, com a alma lavada com a histórica decisão, pela unanimidade do STF, de abrir processo por corrupção ativa contra o ex-ministro chefe da Casa Civil do presidente Lula, o ex-deputado José Dirceu; o ex-presidente do PT, deputado José Genoino, e o ex-tesoureiro do partido, Delúbio Soares.
O Legislativo está nu diante da opinião pública, de estômago embrulhado com a catinga remexida do escabroso festival de impunidade que encerrou os escândalos recordistas do mensalão para a compra do voto de parlamentares em matérias do interesse do governo e do caixa 2 que despejou milhões surrupiados dos cofres da viúva para financiar as campanhas de bilionários candidatos petistas e aliados.

Leia a matéria no Jornal do Brasil online

Quem Compôs?

Por Giulio Sanmartini

No início dos anos 1950, quando no Rio de Janeiro (Capital da República) havia somente um canal de televisão, certamente o programa mais importante era Calouros em Desfile, patrocinado pela Toddy do Brasil e apresentado pelo compositor e radialista Ary Barroso. Ele era uma figura de fama nacional por suas músicas e internacional pela sua Aquarela do Brasil, que até hoje, na Europa, é a referência do Brasil.
O programa tinha como objetivo revelar novos valores da música. Todavia existiam duas coisas que tiravam Barroso do sério: o candidato não saber quem era o autor (ou autores) da música que se propunha interpretar e o pior, confundir o autor com quem a cantava. Tanto se interessou em valorizar autores musicais, que conseguiu a aprovação uma lei, onde as rádios tinham que junto com o nome da musica que apresentavam, também citar os autores.
Certamente foi esse fato que me trouxe a mania de saber quem eram os compositores da músicas que gostava.
Ontem na coluna de Cláudio Humberto, foi noticiada a contrariedade do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que participava da solenidade de lançamento do livro "Direito à Memória e à Verdade", sobre as vítimas (mortos e desaparecidos) do regime militar, quando começou a tocar a música “O Bêbado e o Equilibrista”, imaginando que fosse algo irônico contra sua mania de beber. Mas a música foi uma espécie de hino pela anistia “Ampla, Geral e Irrestrita”.
Tudo bem, só que os autores da música não foram citados, estes são João Bosco e Aldir Blanc. “O Bêbado e o Equilibrista” foi lançada em 1979 no LP “Linha de Passe”.

(*) Foto: Chralie Chaplin o divulgador do chapéu-coco, que fala a música.

Subscrição para Ajudar o Necessitado José Genoino

Por Giulio Sanmartini

O deputado José Genoino, que por decisão do Supremo Tribunal passou a condição de réu, sendo processado pelo crime de corrupção ativa e fromação de quadrilha, foi à tribuna da Câmara protestar.
Em um plenário quase vazio, Genoino disse que tem a segurança e a tranqüilidade de quem teve uma vida honesta e contou que possui o mesmo patrimônio há mais de duas décadas. "As únicas coisas que tenho na vida são sonhos, idéias e causas. Meu patrimônio é o mesmo há 24 anos. Minha família mora em situação de dificuldade. Não posso aceitar denúncia de corrupção ativa, muito menos de integrar quadrilha", afirmou.
"Não me formei, porque optei por lutar contra a ditadura e não virei doutor. Fiquei 20 anos como deputado federal, mas minha renda não aumentou. Fui para a guerrilha do Araguaia, na qual coloquei minha vida em risco e em razão da qual fiquei 5 anos preso. Hoje, como deputado federal no sexto mandato, não tenho patrimônio, a não ser um sobrado em São Paulo, uma área popular em onde mora minha família", continuou.
Pobre Genoino, além de não se formar tem que passar dificuldades, pois entre salário e penduricalhos percebe a merreca de “apenas” R$ 100 mil por mês, afora outras benesses, como três dias de trabalho por semana, duas férias por anos etc..
Tivesse se formado em doutor, para ganhar 10% do que está ganhando teria que ter dois empregos e ainda clínica particular, como acontece com a maioria dos médicos. Com uma agravante, de ter que continuar a trabalhar depois de aposentado, pois o salário máximo que poderá receber do INSS, será algo menos que 1/3 do que ganha trabalhando.
Proponho uma subscrição pública para ajudar José Genoino a comprar do seu Óleo de Peroba, para que assim, a cada dia possa dar um brilho em sua desavergonhada cara.

Leia a matéria na Tribuna da Imprensa online

A Justiça Surpeendeu José Dirceu no...


... PEGA PRÁ CAPÁ!

Ricos X Pobres

Nota de Cláudio Humberto
Leona Helmsley, multimilionária falecida no último dia 20, deserdou dois netos e deixou U$ 12 milhões para seu cachorro, um pequeno maltês branco. Conhecida como "rainha da maldade", ela deixou U$ 10 milhões para seu irmão, agora detentor da guarda do mimado cachorrinho. Em 1972, Leona casou-se com o magnata Harry Helmsley e juntos administraram um império imobiliário nos EUA que inclui o Empire State Building, o famoso arranha-céus de New York.
Faltou um detalhe, em sua surpreendente vida, de uma feita foi detida pelo fisco por sonegação, mas Leona Halmsley revoltou-se e disse: Como detida? nesse país rico não paga impostos, que paga são os pobres.

O Povo Exige Um Mínimo de Vergonha

Mudando para a devida proporção assemelha-se em tudo a tropa de choque, composta de pau mandados, que tinha como objetivo preservar o mando do ladrão, hoje senador, Fernando Collor de Mello e a quadrilha reunida pelo presidente do Senado, o patife, Renan Calheiros, para continuar agarrado a seu cargo e seu mandato.
Tem dois asseclas no próprio Conselho de Ética: Leomar Quintanilha PMDB-TO (presidente do Conselho) e a triste figura de Almeida Lima PMDB-SE, um dos três relatores.
Na semana passada, depois do depoimento de Calheiros, a portas fechadas, ao Conselho, Lima proclamou que estava convencido da sua inocência, desde o início do processo. “Nem precisava da reunião de hoje”, galhofou.
Dias atrás, Quintanilha deu a sua contribuição para o vexame.Decidiu que deve ser secreta a votação, amanhã, dos relatórios sobre a representação contra Calheiros por quebra de decoro, cuja pena máxima é a cassação.
Esses dois canalhas querem ignorar que nunca se viu no Senado tamanha seqüência de prováveis malfeitos atribuídos a um político desde que o primeiro deles, envolvendo o lobista, foi divulgado pela revista Veja, há três meses. Os negócios com gado que dariam origem ao dinheiro repassado à ex-amante contêm vícios de cabo a rabo. Os peritos concluíram que, embora ele tivesse dinheiro para bancar tais gastos, não provou tê-lo usado com esse fim. Em compensação, apareceram indícios de contas bancárias ocultadas por Calheiros. Ainda não acabou: entre janeiro de 2004 e julho de 2005, o senador sacou R$ 178,1 mil, em 40 parcelas, de uma autolocadora de um possível laranja - um aparente empréstimo, tampouco declarado e ainda não pago.
Não há a mínima possibilidade do senador Renan escapar incólume dessa trapalhada em que se envolveu, caso isso aconteça, o clamor público se fará ouvir em crescente, pois o brasileiro honesto está cansado de ser tratado com palhaço. (G.S.)

Leia a matéria em O Estado de São Paulo

Escrevendo a um Leitora

Agradeço ao leitora Mi Macri o pertinente esclarecimento que acrescenta ao meu artigo “Para José Dirceu e os seus, Nada de Pizzas. Bengaladas!” (29/8), que segue abaixo na íntegra.
Um grande abraço e disponha de nosso espaço.
Giulio

“Giulio, você tem razão, a expressão "terminar em pizza" , realmente foi criada pelo jornalista Milton Peruzzi, setorista do jornal " A Gazeta Esportiva".
" Ano de 64 ou 65, reunião quentíssima de diretoria, gritaria geral, parecia que estavam se pegando, e eu, de fora aguardava o final da reunião para publicar, já havia avisado que a reunião estava fervendo,e que aguardassem para saber o resultado. Após vários telefonemas do jornal, cobrando a matéria, sai um conselheiro da reunião, dizendo que estava tudo resolvido e que dali iriam comer uma pizza. Disse Milton, não tive dúvidas, liguei para a redação e mandei publicar a seguinte manchete - "GUERRA NO PALMEIRAS: Acabou em Pizza"
Fonte - livro SEMPRE PALMEIRAS de Antonio Carlos Mórbio.
Bons e românticos tempos, acabar em pizza era até saudável, hoje essa expressão foi alterada no seu valor original, nossos políticos nos roubaram até isso, acabar em pizza, hoje significa impunidade.
Espero que o STF, realmente nos devolva a dignidade que estamos perdendo, sendo representados pelo que existe de mais baixo e vil dos parlamentares.
Um forte abraço
Mi Macri”

29 de ago de 2007

Quadrinha

Capa do Jornal Correio Braziliense inspirada no poema de Carlos Drummond de Andrade:




Dirceu mandava em Delúbio
que tramava com Valério
que pagava Valdemar
que foi denunciado por Jefferson
que incriminou Genoino
que não entregou ninguém.
Dirceu foi para a planície,
Delúbio para a fazenda,
Valério mudou o penteado,
Jefferson ficou sem mandato,
Genoino perdeu a pose, e
O STF, que não estava na história,
pôs todos no banco dos réus.

Ainda não foi desta vez.

A pauta do senado foi destravada, três nomes foram aprovados para o Tribunal Superior do Trabalho: Guilherme Caputo Bastos, Pedro Paulo Teixeira Manus, Fernando Eizo Ono. Mas exatamente o nome de Luiz Pagot para o Dnit...nada.
O senador Arthur Virgílio está com a palavra, explicou que a demora na aprovação de Pagot é em função de irregularidades cometidas por ele. Ele teve duplicidade ILEGAL de empregos, foi assessor parlamentar ao mesmo tempo em que era superintendente de uma empresa de navegação no Pará.
O senador deixou claro que o PSDB ainda não entrou em consenso quanto a aprovação do nome de Pagot.

É, diante disso, a novela continua...

Esperando Pagot

Lula ouve, irritado, 'O bêbado e o equilibrista'

Do Claudio Humberto
O presidente Lula participa neste momento, no Palácio do Planalto, da solenidade de lançamento do livro "Direito à Memória e à Verdade", sobre as vítimas (mortos e desaparecidos) do regime militar. A certa altura de cerimônia, Lula e os convidados passaram a ouvir a música "O bêbado e o equilibrista", espécie de hino à anistia que pregava "a volta do irmão do Henfil", numa referência a Betinho. Quando a música começou a ser executada pela cantora Flora Garcia, Lula não escondeu a sua contrariedade. Fechou a cara e, como é característico, passou a coçar a barba, num gesto de impaciência, enquanto muitos dos presentes sorriam, lembrando o gosto do presidente pelos copos.
Comentário: será que é por que ele tem medo de ser chamado de “equilibrista”??? Num endenti....

Para José Dirceu e os seus, Nada de Pizzas. Bengaladas!

Por Giulio Sanmartini

Na Itália quando alguma coisa muito séria finaliza em nada, se diz que deu em “tralucci e vino”, ou seja rosquinhas e vinho.
A expressão brasileira correspondente, “terminar em pizza”, ao que tudo indica foi criada pelo radialista esportivo paulistano Milton Peruzzi, palmeirense que entre os anos 1950/60 dizia aos seus ouvintes: “terminou em pizza”, quando algum conflito entre jogadores e clubes terminava em conciliação.
Todavia essa frase ficou circunscrita à São Paulo e foi de lá que saiu para ser conhecida no Brasil inteiro, quando em julho de 1992, a secretária do empresário Alcides Diniz, resolveu contar a Comissão Parlamentar de Inquérito - CPI que investigava o presidente da República, o que testemunhara na “armação” que se chamou “Operação Uruguai”. Uma farsa para explicar o dinheiro de origem inexplicável que Collor estava gastando.
Chamava-se essa moça Sandra Fernandes, tinha na época, 42 anos e estava enfrentando uma gravidez difícil. Na CPI foi simples e objetiva. Declarou que não possuía nada que pudesse provar documentalmente seu testemunho, haja vista que não tinha hábito de furtar coisas. Disse o que ouvira e concluiu. “Vim por que quis, estou grávida e vou perder o emprego. Se isso realmente acabar em pizza, como querem alguns, acho que é o fim do país”.
Agora que o Brasil assiste o poder Judiciário agir como manda a moral para que o escândalo “Mensalão” não termine em pizza, levando ao banco dos réus 40 indiciados, em sua maioria ligados ao Partido dos Trabalhadores – PT, esse partido fez um vergonhoso jantar em desagravo aos acusados, mas achincalhando, mangando, insultando toda população brasileira, para o evento escolheu um rodízio de pizzas em Osasco. É muita sacanagem.
A foto mostra o grande chefe do mensalão, José Dirceu sendo agredido a bengaladas pelo escritor indignado Yves Hublet, que gritava Fristão! Fristão!, numa alusão ao personagem do romance de Cervantes que é considerado por Dom Quixote seu arquiinimigo, e a quem o cavaleiro acusa de furtar seus livros e de transformar gigantes em moinhos, roubando-lhe uma vitória.

Caos na Saúde

Por Plínio Zabeu

Desta vez parece que algo deverá finalmente feito neste setor. Foi devido a uma greve de médicos em Alagoas, depois em outras cidades do nordeste, que o governo resolveu acordar, abrir os olhos e pensar: “Puxa vida! Está desse jeito?”. Parece que ainda neste ano serão destinados mais de 2 bilhões de reais para a saúde .
Para que isso acontecesse, muita gente sofreu e mortes ocorreram por falta de assistência médica (gente que estava com cirurgias cardíacas agendadas).
Quem são os culpados? Primeiramente a culpa recai sobre os médicos. Afinal, quando diplomados prometeram sob juramento, não deixar de atender a nenhum doente fosse quem fosse. As referidas mortes deverão ser debitadas na consciência dos que faltaram com a palavra empenhada.
Existiriam outros culpados? Sim, e não é de hoje que esse caos vem sendo adiado. Começou no início da década de 80, quando o setor foi gradativamente sendo esquecido, negligenciado, colocado como necessidade menor. O SUS foi implantado de maneira bem diferente da que foi planejada. Se tivesse saído totalmente do papel, teríamos – sem dúvida – um dos melhores serviços de assistência médica no mundo.
Não podemos negar o desempenho extraordinário do SUS em alguns importantes setores, como prevenção e tratamento de doenças infecto-contagiosas e tumorais. Apenas um exemplo: Somos o único país do mundo em que os aidéticos recebem tratamento completo e totalmente gratuito. Muitos doentes são bem atendidos nessa situação.
Bem que outras patologias poderiam ter os mesmos cuidados. Mas infelizmente não é assim que vem acontecendo. Quase a metade dos brasileiros hoje necessita pagar um plano de saúde se quiser ter um tratamento completo, quando as leis garantem isso gratuitamente a todos indistintamente.
A saúde vai tão mal porque falta dinheiro. Dinheiro que jorra em outras áreas menos importantes ou então desviado de maneira criminosa.
Quem sabe com o despertar recente, poderemos ter uma melhora sensível no setor. Uma cirurgia cardíaca poderia remunerar o médico mais que os R$70,00 (setenta reais) de hoje. Uma consulta poderia ser valorizada mais que os R$2,90 (dois reais e noventa centavos) que o SUS paga ao médico hoje.
Pelo Brasil afora as Prefeituras e os Estados têm tentado assumir e corrigir as falhas do governo federal, mas continuam faltando recursos.
Vamos esperar por mortes como nos caos aéreo, ou vamos confiar que, desta vez, soluções serão encontradas?
pzabeu@uol.com.br

Bebendo com o chefe

Mais um Picareta no Senado

O senador Almeida Lima (PMDB-SE, foto), um dos três relatores do caso Renan, deixou agora há pouco a reunião no Conselho de Ética confirmando que pedirá o arquivamento da representação contra o presidente do Senado.
"Tudo o que eu disse anteriormente está valendo. Não tenho novidades", afirmou o relator ao sair rapidamente da reunião alegando ter um compromisso urgente para não se prolongar nas declarações com os jornalistas.
Questionado sobre o processo de votação no conselho, Almeida Lima também foi taxativo e reafirmou sua posição favorável ao senador Renan Calheiros (PMDB-AL): "ser a favor do voto secreto é ser a favor da Constituição".
A nota acima é de Rodolfo Torres, publicada em Congresso em Foco, mostra o que senador Almeida Lima é tão aético quanto o mentirso pulha Renan Calheiros (PMDB-AL). Portanto no mínimo é conivente nas irregularidades que imputam seu assecla, dessa forma deve ser, a bem da moral e dos bons costumes, também ele julgado pela Comissão de Ética.
O cidadão de bem, que paga seus impostos para manter nababescamente esses bando de malfeitores, insultado em sua inteligência, exige que o Senado tenha um atitude, como está tendo o poder Judiciário, com a quadrilha que tinha como sede o Palácio do Planalto. (G.S.)

Habeas Corpus Descabido

Já estão correndo os pedidos de habeas coropus dos acusados de espancar a doméstica Sirlei em 23 de junho deste ano. Já foi aprovado em primeira instancia a liberdade para o agressor que estava no carro, portanto de acordo com o ministro do Supremo Tribunal de Justiça, Nilson Neves, Felippe Macedo Nery Neto não participou do espancamento uma vez que não saiu do carro. É verdade não bateu, mas vamos lembrar que conivência, cumplicidade neste caso é igualmente criminoso. Se deixarmos esfriar o caso, tudo vai acabar como sempre, a impunidade varia de acordo com a conta bancária ou com o cargo público. Vale informar que estão aguardando aprovação outros dois pedidos para que os pit boys respondam em liberdade. É mais ou menos assim, enquanto aguardam o julgamento, “as crianças” vão “brincando” de bater em quem julgam ser prostitutas, travestis e em quem mais não gostarem da cara, da marca da roupa, em quem sentar no lugar deles, em quem tiver a mulher mais bonita na boite que freqüentam e mais, em quem os papais e a lei venham permitir. (F.S.)

Leia a matéria em O Dia online

peteta

A Coisa Está Mudando Para Melhor

Ao fim do mais longo julgamento da história do Supremo Tribunal Federal, que consumiu cerca de 30 horas de votos e debates em cinco dias de sessões, todos os 40 denunciados pelo procurador-geral da República no inquérito do mensalão passaram, no fim da tarde de ontem, à condição de réus em processos penais. Inclusive os 24 acusados de crime de formação de quadrilha, à frente dos quais o ex-ministro José Dirceu e os ex-dirigentes do PT José Genoino e Delúbio Soares que, de acordo com o chefe do Ministério Público Federal, integravam o núcleo principal da sofisticada organização criminosa.
Com raríssimas exceções, os 10 ministros do STF acolheram a grande maioria das centenas de imputações feitas aos denunciados. Marcos Valério, o principal operador do esquema, por exemplo, responderá a ações penais pelos crimes de quadrilha, corrupção ativa, peculato, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Foram enquadrados em crime de corrupção passiva 12 dos denunciados, entre os quais os deputados João Paulo Cunha (PT-SP), ex-presidente da Câmara, Valdemar Costa Neto (PR-SP) e Pedro Henry (PP-MT). Por corrupção ativa, tornaram-se réus 10 dos indiciados no inquérito. Além do chamado núcleo principal da quadrilha, inclui-se nessa situação o ex-ministro dos Transportes Anderson Adauto.
Escrevem Fernando Exman e Luiz Orlando Carneiro

Leia a matéria no Jornal do Brasil online

A qualidade do que é Bebido não Muda a de quem Bebe

Lula, o presidente, não quer mais o aperto do tempo de Lula, o metalúrgico. Ele está preocupado com seu padrão de vida após concluir o mandato, em 2010. Ele acha que um ex-presidente precisa ter assegurada uma inatividade digna. Vem aí mais uma aposentadoria.
O presidente Lula acumula pelo menos duas aposentadorias: uma por invalidez e outra como "anistiado político". Total: cerca de R$ 6 mil/mês. Lula lembrou que o ex-presidente Ernesto Geisel teve de trabalhar na Norquisa e que Itamar Franco foi embaixador porque precisava do salário.
Portanto o presidente da República, além de apologista da ignorância, passou a debochar dos homens públicos corretos e ir com para “boquinha” com a sofreguidão de um famélico.
Ele depois que tomou vinho Romanée-Conti safra 1997, que lhe foi presenteada pelo picareta Duda Mendonça, atualmente réu por lavagem de dinheiro e evasão de divisas, sentiu-se um cavalheiro refinado (nem arrotou depois de tomar o vinho)
Como a qualidade do vinho não muda ninguém ele continua incompetente, grosso, pretensioso e desavisado.
Trabalhando, o que não faz há anos, jamais terá as mordomias do tempo presidencial, pois nada sabe fazer. Ele tem é que continuar com a Tatutuzinho, de onde jamais deveria ter saído. (G.S.)
(Fonte: Cláudio Humberto)

A PTcopatia na Beócia

Por Adriana Vandoni

O que de mais interessante a semana ainda nos reserva é o 3º congresso nacional do PT que será realizado no domingo em São Paulo. Ironia do destino ou mandinga mesmo, exatamente alguns dias após o STF aceitar a denúncia contra a cúpula do PT por corrupção ativa e passiva, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro, cada um na sua especialidade. Um dos assuntos que serão tratados no congresso é a ética, com poderes para mudar o estatuto e programa do partido.
Sim senhor, o PT vai discutir a ética, e como o partido não punirá os denunciados, possivelmente teremos a conclusão de que roubar deixará de ser um ato ilícito e se tornará “uma ação de interesse relevante para a construção de uma sociedade mais justa e igualitária”. Esse é um discurso típico desses PTcopatas.
Para debochar ainda mais da população, será realizado um jantar na quinta-feira. Motivo? Ah, um simples jantar de desagravo aos denunciados. Cardápio? Rodízio de pizzas. Isso mesmo: pizza. Sei não, mas tenho a impressão de que se Fernandinho Beira-mar e Abadia fossem a esse congresso seriam agraciados com a medalha de honra ao mérito.
O que é isso? Que congresso é esse que deseja discutir a ética enquanto os presentes se lambuzam na falta dela? Vão discutir o ser petista enquanto ser petista, isto é, o ser concebido como tendo uma natureza comum que é inerente a todos e a cada um dos seres?
Claro que não! Já sei que ao final teremos um documento em que acusarão a mídia burguesa de inventar o mensalão. Terão o descaramento de desmentir todas as provas descobertas, de dinheiro na cueca a diversos documentos e depósitos que comprovaram a sua existência de corrupção.
Ah, mas atacar a mídia é um tema recorrente, sempre atual nesses congressos, e que foi escolhido pelos intelectuais petistas (aqueles que não estão no banco de réus). A mídia. A abominável “mídia burguesa que é pior que a inquisição e produz apenas simulacros”, segundo a musa da PTcopatia, Marilena Chauí.
Outro que reclama da famigerada mídia, do “jornalismo nativo” e dos “jornalões reacionários”, é o charmosérrimo Mino Carta. Mino, a reencarnação de Narciso, o herói do território de Téspias na Beócia, da mitologia grega. Ele não se cansa de acusar a mídia de ter dado repercussão a uma “fantasia jeffersoniana” chamada “mensalão”. É verdade, o mensalão não existe para Mino Carta, assim como não existe para Marilena Chauí que publicou dias atrás um artigo chamado “A invenção da crise”.
Aliás, Mino, o herói da Beócia, critica a mídia, mas se farta recheando sua revista com propagandas do governo federal. Mino reclama em seu blog dos “refinados representantes da elite cansada” que organizaram o movimento “Cansei”. Os acusa de não serem clientes do bolsa-família, como se só esses pudessem reclamar da corrupção do PT, os recrimina dizendo que comem caviar, mas adora comentar em seu blog sobre filés de enchovas, salames italianos e vinhos que devem custar boas bolsas-família.
Ai, ai, ai. Ah esses “burgueses do dinheiro público”... os vejo horas sentados à mesa de um sofisticado restaurante burguês, e entre um gole e outro de um vinho Romanée-Conti, ao custo aproximado de R$ 6.000,00 a garrafa, criticando a elite burguesa do nosso país.

Com a Classe Mèdia Não se Brinca

De Carlos Chagas: “Declarou Lula que a classe média tem como sobreviver, e, por isso, dedica o melhor de seu governo às massas empobrecidas, que não têm. Está certo, outra vez, mas com novo reparo: a classe média tem como sobreviver enquanto classe média, mas, deixada ao léu, vai-se proletarizando e deixando de ser classe média. Não seria melhor cuidar dela enquanto ainda consegue sobreviver (ela, é claro), mesmo pagando impostos cada vez maiores, com seus salários congelados, em meio ao desemprego e ao abandono por parte do poder público? Afinal, nunca será demais repetir, foi a classe média que elegeu e reelegeu o presidente...”
Acrescento ao seu pensamento, que foi também a classe média esmagada pelo desgoverno e pelo excesso de impostos, que derrubou a monarquia,com a Revolução Francesa em 1789.
(*) Foto: Marianne, alegoria símbolo da Revolução Francesa

Vai Ser Difícil Segurar

Como sempre o presidente Luiz Inácio Lula da Silva acha, que deixando de falar sobre um problema, esse por encanto vai desaparecer.
Agora com medo que a merda que já está respingando do mensalão e sujando sua sala, vá alaga-la, preocupado com o impacto do julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o governo e o PT. Assim, orientou a cúpula do partido e seus principais auxiliares a não darem discurso para a oposição.
Lula mandou um claro recado aos organizadores do 3º Congresso do PT: não quer que a abertura de processo penal contra os petistas José Dirceu, José Genoino, Delúbio Soares e Luiz Gushiken se transforme no principal assunto do encontro, de sexta-feira a domingo. "Seria dar um tiro no pé", disse o presidente a ministros. (G.S.)

Leia a matéria na Tribuna da Imprensa

Desdo o Início, Um Governo de Ladrões

COMO TUDO COMEÇOU


Por Giulio Sanmartini

A apuração de supostas fraudes em licitações e contratos nos Correios está em descompasso com a investigação do caso do mensalão, que veio à tona com o vídeo gravado em 2005 no qual Maurício Marinho, então diretor de Contratação e Administração de Material da estatal, aparece recebendo R$ 3 mil (foto). Deu origem ao mensalão.

E CONTINUOU
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, teve desde sua posse o que se chamou "Núcleo Duro”, era quem na realidade governava, fazendo e acontecendo.
Esse núcleo era composto pelo grande boss ministro chefe da Casa Civil, deputado José Dirceu, pelo ministro da Secretaria de Comunicação do Governo Luiz Gushiken e pelo ministro da Fazenda Antonio Palocci.
José Dirceu deixou o cargo após ser acusado de comandar o esquema do mensalão.(2005)
Luiz Gushiken, perdeu o status de ministro do governo e tornou-se subordinado à Casa Civil de Dilma Roussef. A medida foi tomada depois de a situação dele no governo se tornar insustentável pela proliferação de denúncias. A gota d'água foi a revelação de que a empresa Globalprev, da qual Gushiken era sócio, assistiu a um salto no faturamento desde que o ex-associado migrou para Brasília. A acusação somou-se às denúncias do aumento da publicidade da revista de um cunhado e da influência do então ministro em fundos de pensão. (2006)
Antonio Palocci não resistiu à sucessão de denúncias. Ex-prefeito de Ribeirão Preto, Palocci começou a ser alvo de denúncias (2005). O ex-secretário de Governo de Palocci Rogério Buratti afirmou que o ministro recebera propina de R$ 50 mil por mês da empresa Leão Leão, que era responsável pela coleta de lixo na cidade.
A situação piorou depois de ser revelado que Palocci freqüentara a casa onde ex-assessores faziam negócios irregulares em Brasília, sem contar as orgias onde reinavam mulheres pagas por lobistas. E se tornou insustentável depois da quebra do sigilo bancário do caseiro Francenildo Costa. (2006)
Corrupção ativa; Formação de quadrilha e Luiz Gushiken: Peculato. Palocci passou ao lado desse escândalo e conseguiu eleger-se deputado, pouco para quem tinha grandes pretensões.
O “Núcleo Duro” esfacelou-se irremedivelmente e não tem Viagra que de jeito.

A Maleta de Emergência de Lula...


...NÃO OUVE, NÃO VÊ E AÍ, NÃO SABE NADA!

A Apresentadora de Belíssimas Pernas

Por Giulio Samartini

A rainha Vitória, da Grã-Bretanha (1819-1901, coroada 1839), depois de sua viuvez, com a morte do príncipe Alberto (1861), ainda relativamente jovem, permaneceu o resto da vida vestida em luto, deixando de aparecer em público e indo raras vezes a Londres.
Autoproclamou-se guardiã dos bons costumes e implantou – em todo o império britânico, com reflexos para o resto da Europa – o que chamamos de moral vitoriana, baseada no puritanismo, mas com princípios hipócritas, onde o mais importante não era ser, mas parecer que se é.
Minha geração (começada nos anos 1940) viveu uma parte dessa moral. Lembro que me era contado por minha mãe que seu avô era um homem sério, que jamais alguém o vira rir, mas ela uma vez o surpreendera passando a mão no recavem (bunda) da empregada. Pois é não ria, mas dava-se a licenciosidades.
Esse sistema de conduta, sempre mais atenuado, foi-se arrastando até a primeira metade dos anos 1960, quando na Inglaterra apareceram especialmente Mary Quant, com sua minissaia e os Beatles, o primeiro conjunto a dar dignidade à música pop e também liberalizando modas, hábitos e comportamentos. Fica portanto marcada essa época como a da inumação da moral vitoriana.
Todavia esta, em pleno século 21 é desenterrada para atacar uma das maiores e mais sérias tradições inglesas, o sistema rádio televisivo a British Broadcasting Corporation (BBC), que se encontra numa situação pouco favorável e desacreditada

Leia a matéria no Observatório da Imprensa

Não é Bem Assim!

Lula ao afirmar que não disputará o primeiro mandato levou o líder da Bancado do Partido dos Trabalhadores - PT na Câmara Luiz Sérgio (RJ) a declarar.
“O precedente de mudar a regra do jogo para ficar mais tempo no poder é da atual oposição. Tomara que agora PSDB e DEM parem de ver fantasmas no fato de Lula ser popular.”
Mas o deputado petista escorrega na semântica. Popular é o atributo de quem pertencente ao povo, especialmente à gente comum. Condição de quem é conhecido por grande número de pessoas.
Todavia, populista, é aquele que apóia o populismo e este deve ser entendido como uma doutrina ou prática política que prega a defesa dos interesses das camadas não privilegiadas da população, mas que se limita a ações de cunho paternalista, angariando assim o apoio popular, se baseia no aliciamento político das classes menos favorecidas através da um encenação de uma assistência social a elas.
Portanto o presidente da República é muito mais populista que popular. E aí que mora o perigo. (G.S.)

28 de ago de 2007

Aberta a temporada de cassa a Lula


A Agência Estado informa que Roberto Jefferson vai pedir cassação de Lula. Segundo sua assessoria, agora que o caso ganhou corpo de um processo no STF, Bob Jeff planeja entrar com uma denúncia pedindo a abertura de processo contra Lula por crime de responsabilidade, o que pode resultar na abertura de um processo de impeachment.

Na avaliação de Francisco Barbosa, advogado de Bob, agora que Zé Dirceu responde formalmente a processo por corrupção ativa e formação de quadrilha, estariam preenchidas as condições para pedir a abertura de um processo para investigar a eventual responsabilidade do presidente. "Todos trabalhavam para a obtenção da governabilidade. Nenhum deles trabalhou para si mesmo", justificou Barbosa.